Conecte-se

FacebookTwitterInstagram

e6b976db 97b6 425b 8372 8ee4b2aecd74

Integrantes da facção criminosa que atuava em Santa Catarina e em outros Estados utilizavam até helicóptero no transporte de materiais

A Polícia Civil do Estado de Santa Catarina, por meio da Delegacia de Combate às Drogas da Capital (DECOD) deflagrou, no amanhecer desta sexta-feira (3) a operação SCURRA, cumprindo aproximadamente 100 ordens judiciais, dentre elas 42 mandados de busca e apreensão e mais de 50 mandados de prisão temporária que estão sendo cumpridos nas cidades de: Florianópolis, São José, Palhoça, Biguaçu, Governador Celso Ramos, Porto Belo, Balneário Camboriú, Camboriú, Itajaí, Navegantes, Blumenau, Itajaí, Tubarão, Laguna, Rio Fortuna, São José dos Pinhais/PR e Naviraí no Mato Grosso do Sul.

A investigação surgiu a partir do aumento da violência na região do Monte Verde, em Florianópolis, em 2018.

Participaram da operação mais de 200 policiais civis, sendo eles das unidades da Diretoria de Polícia da Grande Florianópolis, Regionais de Joinville, Itajaí, Balneário de Camboriú, Laguna, Blumenau e Tubarão, CORE, SAER e CANIL, além de policiais civis do Paraná, Mato Grosso do Sul, Policia Rodoviária Federal e Secretaria de Estado da Administração Prisional e Socioeducativa.

De acordo com delegado responsável pela Delegacia de Combate às Drogas (DECOD), Walter Loyola, ao longo de dois anos de investigações foram analisadas aproximadamente 600 mil ligações, mensagens de texto e outras interações entre os investigados, descobrindo-se, assim, diversos núcleos de integrantes de uma facção criminosa que atuava em Santa Catarina e tinham conexões com diversos outros Estados. Para o transporte do material ilícito, os investigados faziam uso dos mais diversos meios, inclusive, de um helicóptero.

Para financiar suas atividades criminosas atuavam em diversas frentes, cometendo crimes como roubos de veículos de alto luxo, crimes contra o sistema financeiro, furtos em imóveis de alto padrão, homicídios e outros, advindo dessa situação o nome da operação, pois SCURRA, em latim significa curinga, ou seja, aquele individuo versátil que atua em diversas funções.

No curso das investigações, alguns dos investigados foram presos em flagrante.

O material angariado no curso do procedimento também flagrou ações criminosas que tinham como alvo outros Estados, tais como São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Rio Grande do Sul e outros, esses elementos serão compartilhados com as autoridades competentes desses locais.

38a8e116 3bb9 4a71 8b0d ab67d5bd21db

bed841ec 999c 4cd3 accb 8df479cd6662

23a10c25 0d68 4eec 8783 b6304effb0cf

Novo Projeto 1

Delegado de Polícia Walter Loyola fala sobre a operação:

 

Para Matérias sem foto

Operações, como a realizada nesta quinta-feira (02) pela Polícia Civil de Santa Catarina denominada ‘Carga Geral’ contribuíram de 2019 para 2020, para uma queda de 69,4% no roubo a cargas no Estado e 57,7% no número de furtos a este tipo de crime. O furto de cargas em Santa Catarina este ano representa apenas 0,1% do furto praticado de maneira geral no Estado.

A Operação Carga Geral cumpriu 52 ordens judiciais – 19 mandados de prisão e outros 33 de busca e apreensão, assim como o sequestro de bens dos investigados. A ação é da Delegacia de Furtos e Roubos de cargas da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DEIC) e visa reprimir os crimes de furto, roubo e receptação de cargas.

Números de furtos e roubos de cargas em SC

2020
Furto: 60 (0,1% dos demais furtos)
Roubo: 11 (0,2% dos demais roubos)

2019
Furto: 142
Roubo: 36

Fonte: Gerência de Estatística e Análise Criminal (GEAC/DINI/SSP/SC)

Delegado de Polícia Osnei Valdir de Oliveira, titular da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos de Carga (DFRC) fala sobre a Operação Carga Geral deflagrada nesta quinta-feira (02):

729fe41b bdf1 476a 8717 2a7044c8e933

A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Repressão a Crimes Ambientais da DEIC, prendeu em flagrante, nessa quarta-feira (01) três pessoas pelo crime de parcelamento irregular do solo urbano, crime contra a economia popular e crime ambiental, em Florianópolis.

Segundo a delegada Beatriz Ribas, a divisão do terreno original em lotes estava sendo realizada sem qualquer autorização do poder público. Em um dos lotes já vendido, o adquirente estava realizando a terraplanagem e iniciando a infraestrutura da área, inclusive com prolongamento da servidão existente, para facilitar a circulação de caminhões para as obras. Os lotes estavam demarcados e havia estudo topográfico definido, com a divisão do terreno original em lotes para comercialização.

Os terrenos, frutos do parcelamento irregular de solo para fins urbanos, estavam sendo anunciados e oferecidos pelo corretor e o proprietário da imobiliária como se fossem regulares. Desta forma, os presos - o proprietário da imobiliária, o corretor de imóveis e o proprietário do terreno- foram autuados em flagrante pelos crimes previstos na Lei de Crimes contra a Ordem Tributária, Econômica e contra as Relações de Consumo, bem como pela Lei de Crimes Ambientais e Lei de Parcelamento do Solo Urbano.

Além disso, a obra foi embargada pela Prefeitura e foram realizas as devidas autuações administrativas pela fiscalização.

A Delegacia de Repressão a Crimes Ambientais da DEIC não medirá esforços para combater o parcelamento irregular do solo urbano, os crimes ambientais e demais condutas ilícitas relacionadas, de modo a impedir a ocupação urbana desordenada e a prática das construções irregulares.

c7ca5c4d 171f 4476 9574 3510087105ef

c9fd1536 d69d 419f b15e 4bafbee131fd

2108b365 1bca 4d03 9b54 ebb3f8a04766

ed040d7a 3fd8 44ca 8645 ad75ea9abf52

A Polícia Civil está nas ruas desde a madrugada desta quinta-feira (02) com a Operação Carga Geral para cumprir 52 ordens judiciais – 19 mandados de prisão e outros 33 de busca e apreensão, assim como o sequestro de bens dos investigados. A ação é da Delegacia de Furtos e Roubos de cargas da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DEIC). De acordo com o delegado de polícia Luis Felipe Del Solar Fuentes, diretor da DEIC, a operação visa reprimir os crimes de furto, roubo e receptação de cargas.

Os mandados estão sendo cumpridos nas cidades de Agrolândia, Balneário Camboriú, Balneário Piçarras, Barra Velha, Blumenau, Brusque, Indaial, Itajaí, Joinville, Penha, Porto Belo, Pouso Redondo, Rio do Sul e Taió, com o emprego de 100 Policiais Civis da DEIC e das Delegacias de Polícia das cidades onde estão sendo cumpridos os mandados judiciais.

A operação foi denominada ‘Carga Geral’ em razão da diversidade e variedade dos produtos subtraídos, desde alimentos a equipamentos eletrônicos, e visa a responsabilização dos autores pela prática de diversos delitos, dentre eles, receptação, lavagem de dinheiro e formação de organização criminosa.

Até o momento foram apreendidos cerca de R$ 200 mil e uma arma de fogo na cidade de Brusque, bem como, uma arma de fogo na cidade de Pouso Redondo.  

13867e61 874c 4c89 a88d 385a7f971eb5

b6920240 8f66 4abb 93d8 502bad400c43

ec6bc819 d3af 411e 9a46 ecf4f531adda

14e67ef0 f11e 401d 9e6a 89d40d19084a

Delegado de Polícia Luis Felipe Del Solar Fuentes, diretor da DEIC explica sobre a operação:

Delegado de Polícia Osnei Valdir de Oliveira, titular da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos de Carga (DFRC) fala sobre a operação:

 e993f8c7 6aa3 45e1 a640 6664c0cd6436

Delegados-gerais do Brasil se reuniram nesta manhã de quarta-feira (01), em videoconferência, com o Ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça.

Na reunião, apresentaram o Conselho Nacional dos Chefes de Polícia Civil (CONCPC), que é composto pelos chefes de polícia, delegados-gerais e diretores-gerais das Polícias Civis de todos os Estados do Brasil e do Distrito Federal.

 De acordo com o presidente do Colegiado Superior de Segurança Pública e Perícia Oficial, delegado-geral Paulo Koerich, na oportunidade, foram tratados assuntos que visam a melhoria dos trabalhos da Segurança Pública no Brasil, bem como alinhamentos de ações das polícias judiciárias no país.