Conecte-se

FacebookTwitterInstagram

Florianópolis – Miriam, Patrícia, Mitzy, Jucélia, Fernanda, Danuza, Maria Salete, Maria Fischer, Jandira e Ana Cláudia. Dez mulheres vítimas de violência doméstica, elas foram as protagonistas da noite desta quinta-feira, 6, no Auditório Maria Lúcia Stefanovich do Complexo de Segurança Pública de Santa Catarina. Seus depoimentos, imagens e histórias foram a voz da luta diária das vítimas de agressões e o desafio de superar esse trauma, objetivo central do projeto “Espelho Meu” lançado na oportunidade.

O projeto nasceu na DPCAMI de São José (Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso) a partir de uma iniciativa da psicóloga policial Clarissa Moreira Enderle e da agente de polícia Eleide Eli Brito, e foi apoiada pela delegada Juliana Oss Dallagnol Menezes e pela psicóloga clínica Fernanda Cristina Segatto. "A ideia não era mostrar a dor, mas a superação", diz Juliana, que buscou no atendimento a vítimas de violência doméstica uma maneira de alertar outras mulheres a denunciar as agressões.

Exposição Espelho Meu 2

Foto de Elisângela de Almeida

A ideia ganhou corpo e parceiros importantes como a Secretaria de Educação de São José, da Escola Profissionalizante de São José, da escola de fotografia Câmera Criativa - cujos alunos produziram o material fotográfico das personagens -, de Florianópolis, e da Foto Campinas. Essas dez mulheres vítimas de violência foram retratadas em fotografias e seus depoimentos reunidos num documentário produzido pela Câmera Criativa e lançado também nesta quinta-feira junto com uma exposição dos trabalhos que, a partir de sábado, estará aberta ao público no Shopping Itaguaçu.

“Miriam, Patrícia, Mitzy, Jucélia, Fernanda, Danuza, Maria Salete, Maria Fischer, Jandira e Ana Cláudia, vocês são exemplos e no dia de hoje agradecemos imensamente por dividirem conosco um pouco da vossa história de vida e ter feito dessa história uma forma de mostrar a outras mulheres que é possível superar a dor, resignificar as experiências negativas e seguir em frente”, disse a delegada Juliana, agradecendo às protagonistas do projeto.

Projeto será ampliado

Exposição Espelho Meu

Foto de Elisângela de Almeida

O delegado-geral da Polícia Civil, Marcos Ghizoni, lembrou a excelência do trabalho dos servidores no atendimento às vítimas de violência em Santa Catarina e se disse em honrado por ver o projeto “Espelho Meu” concretizado. “Vamos expandir esse trabalho a todas as regiões onde houver uma Delegacia da Mulher e integrá-lo ao PC Por Elas, um programa que está pronto para ser lançado e reúne o conjunto de ações da Polícia Civil para garantir os direitos das mulheres vítimas de violência”, disse Ghizoni.

A coordenadora das DPCAMI, delegada Patrícia Zimmermann, exaltou a coragem das mulheres que participaram do “Espelho Meu” e a importância de dar voz às vítimas de violência. “Elas precisam acreditar em si, precisam ser ouvidas, amparadas, acolhidas e respeitadas”, afirmou.

Exposição Espelho Meu 1

Foto de Eliane Trautmann

A voz das mulheres

Em nome das dez mulheres retratadas no “Espelho Meu”, Mitzy Machado do Amaral agradeceu a cada um dos responsáveis, apoiadores do projeto e principalmente a familiares e amigos, testemunhas de uma mudança. “Deus não nos prometeu o dia sem dor, riso sem sofrimento, sol sem chuva. Mas prometeu força para os dias, conforto para as lágrimas e luz para o caminho. Vocês foram tudo isso”, disse. “Percebemos quanta força possuímos, ganhamos carinho, acolhimento e orientação para resgatar nosso amor próprio”, concluiu, desejando o projeto ganhe dimensões maiores, força, para resgatar a auto-estima de tantas mulheres vítimas de violência que não conseguiram buscar ajuda.

Exposição Espelho Meu 9 Exposição Espelho Meu 6 

Exposição Espelho Meu 4  Exposição Espelho Meu 5  Exposição Espelho Meu 11 Exposição Espelho Meu 12

Exposição Espelho Meu 13