Conecte-se

FacebookTwitterInstagram

São José – A Justiça atendeu ao pedido da DIC de São José (Divisão de Investigação Criminal) e decretou, na tarde desta sexta-feira, 15, a conversão do flagrante em prisão preventiva de R.K, 34 anos, suspeito do homicídio do cidadão argentino Gustavo Ariel Borgonzi, 51 anos, no último dia 12. Gustavo foi encontrado em seu apartamento, no bairro Floresta, em São José, degolado e com o órgão genital decepado na tarde de terça-feira. R.K. foi encaminhado à Penitenciária de Florianópolis.

R.K., natural de Canoinhas, foi preso numa residência no bairro Praia de Fora, em Palhoça, na noite de quinta-feira (14) quando, segundo o delegado Manoel Galeno, se preparava para fugir. “Vocês estão aqui por causa do argentino, né?”, foi a pergunta que R.K. fez ao avistar os policiais. Conhecidos do suspeito haviam, em depoimento, indicado a intenção de R.K. deixar a cidade. Ele seria usuário de crack e tem passagens policiais por tráfico, furto e roubo.

Apesar de negar a autoria do crime, as evidências encontradas no local da prisão indicam a sua  participação na morte de Gustavo. Em poder dele havia uma mochila e uma bermuda da vítima, o boné usado para esconder o rosto na saída do local do crime e uma garrafa de whisky roubada do apartamento de Gustavo. Um celular, um notebook e R$ 900 que sumiram do apartamento não foram localizados.

“O suspeito foi identificado por câmeras de videomonitoramento em postos de gasolina e ruas próximas, além do depoimento de testemunhas que o viram deixando a casa da vítima e outras diligências que foram cumpridas”, disse Galeno. R.K. também possui uma tatuagem igual ao desenho feito na parede com o sangue de Gustavo.

Segundo a Polícia Civil, os dois mantinham relacionamento esporádico e há três anos o argentino já havia registrado um boletim de ocorrência contra R.K. por furto. Sobre a motivação do crime, o delegado diz que só a sequência da investigação poderá determinar. “Ele demonstrou muita frieza, sinais de psicopatia e se contradisse no interrogatório”, contou o delegado, que não descarta que um surto psicótico tenha provocado as agressões.