Conecte-se

FacebookTwitterInstagram

WhatsApp Image 2019 11 07 at 13.19.39

A Delegacia Geral da Polícia Civil recebeu na manhã desta quinta-feira (07) uma comitiva de lideranças de Navagentes e região. Os integrantes foram recebidos pelo Delegado Geral, Paulo Koerich, no gabinete da Delegacia Geral, em Florianópolis. Estiveram presentes o prefeito de Navegantes, Emílio Vieira, o deputado estadual Coronel Onir Mocellin e assessores.

Foram tratados no encontro assuntos de segurança pública e parcerias entre a instituição e o município. Pela Polícia Civil também participaram o diretor de polícia do Litoral, Luiz Ângelo Moreira; o diretor de Administração e Finanças, Valério Alves de Brito; o assessor jurídico, delegado Ricardo Thomé; o gerente de Planejamento, Gustavo Madeira e o delegado regional de Itajaí, Márcio Colatto.

WhatsApp Image 2019 11 07 at 13.20.14

07.11.2019 Traficante preso em BC

A Polícia Civil capturou em Bombinhas um homem suspeito de liderar uma associação criminosa especializada no tráfico de drogas, que atuava na região de Cruz Alta (Rio Grande do Sul). A ação é da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Balneário Camboriú e aconteceu na terça-feira (05).

O homem estava foragido do sistema penitenciário do Rio Grande do Sul desde fevereiro e foi recapturado na cidade de Bombinhas, onde residia usando identidade falsa. Foi a partir de informações repassadas pela DRACO (Delegacia de Repressão ao Crime Organizado) de Cruz Alta/RS que policiais da DIC de Balneário Camboriú identificaram o edifício em que ele estava. O homem foi preso no momento em que deixava o local.

Na residência ainda foram apreendidos U$ 17,5 mil, além de cadernos com anotações da contabilidade do tráfico. Ao ser abordado, ele apresentou uma carteira de habilitação falsa com outro nome, fato que resultou na lavratura de um auto de prisão em flagrante pelo crime de uso de documento falso. Após os procedimentos, o preso foi encaminhado ao Presídio de Tijucas.

07.11.2019 Incêndio esclarecido

A Polícia Civil identificou o autor de um homicídio e incêndio na madrugada de 9 de setembro, em São Francisco do Sul e que causou a morte de um homem de 42 anos. Na ocasião, a polícia foi acionada por volta da 01h da madrugada para atender uma ocorrência de incêndio em uma residência abandonada no Centro Histórico.

Ocorre que, durante o rescaldo, um corpo foi localizado em um corredor da casa, o qual posteriormente foi constatado que se tratava de um homem de Curitiba. Conforme o delegado Rafaello Ross, no local da ocorrência a equipe da Polícia Civil constatou que a vítima apresentava escoriações e queimaduras superficiais não suficientes para levá-la à morte, havendo indiciativos de que teria sido assassinada, antes da casa ser incendiada.

"O resultado do laudo pericial cadavérico confirmou que a linha de investigação inicial estava correta. De fato, a causa da morte não decorreu do incêndio e sim de agressões anteriores sofridas pela vítima. A partir da confirmação pericial, o trabalho de investigação foi intensificado", esclareceu o delegado.

No decorrer das diligências surgiram indícios de que um outro morador de rua, de 32 anos, teria praticado o crime após uma briga no local dos fatos, matando a vítima asfixiada e em seguida ateando fogo no local para tentar ocultar o crime de homicídio.

O suspeito que foi indiciado pelos crimes de homicídio doloso qualificado e incêndio e teve sua prisão temporária decretada, estava foragido desde a época dos fatos, porém foi localizado e preso na quarta-feira (6), em Sorocaba (SP), de onde será transferido para Santa Catarina para ficar à disposição da Justiça.

WhatsApp Image 2019 11 06 at 15.22.16

Começou nesta quarta-feira (06) em Mafra, no Planalto Norte catarinense, o Seminário Intersetorial de enfrentamento à violência contra as mulheres promovido pela Polícia Civil. O evento prossegue até quinta-feira no auditório do Sicoob.

A abertura contou com a presença do Delegado Geral, Paulo Koerich, que destacou o momento ímpar para a instituição na organização desta mobilização em prol de toda à sociedade. "Precisamos dar um ponto final nos índices de violência contra à mulher e de violência doméstica que convivemos", disse.

Participam cerca de 500 pessoas, entre policiais civis e militares, além de integrantes da rede de atendimento.
"A nossa proposta é demonstrar que segurança pública não se restringe à Polícia Civil e à Polícia Militar. A segurança púbica tem que ser realizada de forma sistemática, abrangendo saúde, educação, assistência social, entre outros setores da rede. Conto com a participação e a colaboração de todos vocês", sintetizou o delegado regional em Mafra, Alan Pinheiro de Paula, que proferiu a palestra de abertura ao lado da psicóloga policial civil, Mellize Cardoso.

WhatsApp Image 2019 11 06 at 15.19.13

Para Mellize, é fundamental alinhar a rede de atendimento para que tenhamos intervenções cada vez mais eficazes, trazendo conhecimento técnico e científico não só para o atendimento às vítimas de violência, mas também para os homens que precisam ser cuidados.
Também palestraram de manhã a fisioterapeuta motivacional Diovana Abreu Sartori e o psicólogo policial civil do Programa PC por Elas, Antônio José Britto.

WhatsApp Image 2019 11 06 at 15.18.08 1

WhatsApp Image 2019 11 06 at 14.03.20

Com o objetivo de apreender provas relacionadas à suspeita de uso de notas fiscais em nome de empresas de fachada, conhecidas como noteiras, foi deflagrada nesta quarta-feira (6) a operação Bacos do Oeste II. A ação, realizada em parceria entre Secretaria de Estado da Fazenda (SEF/SC), Polícia Civil e Instituto Geral de Perícias (IGP), recolheu documentos durante o cumprimento de oito mandados de busca e apreensão nos municípios de Pinheiro Preto e Penha, em Santa Catarina; e Curitiba, no Paraná.

Segundo o delegado da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DEIC), Pedro Mendes, há oito meses é investigado o esquema de empresas noteiras que são utilizadas para registro de vendas de uma indústria de vinhos e derivados da região Meio-Oeste catarinense. A fraude possibilitava que deixassem de ser recolhidos os tributos, como o ICMS devido nas vendas. “Investiga-se ainda, a suspeita da criação e utilização destas empresas, bem como os responsáveis por tais atos”, disse Mendes.
A estimativa é que o esquema ilícito tenha gerado prejuízo de mais de R$ 10 milhões. Os valores serão registrados após a análise do material apreendido na operação e perícia nos equipamentos de informática.

A investigação

A operação Bacos do Oeste II teve início com o registro de Boletim de Ocorrência após abordagem de rotina em um caminhão que transportava bebidas provenientes de indústria localizada em Pinheiro Preto. A nota fiscal, porém, continha endereço de uma empresa de fachada de Penha. (Com informações da DEIC e da Secretaria de Estado da Fazenda)