Conecte-se

FacebookTwitterInstagram

capapcporelas

O Polícia Civil por Elas tem como objetivo integrar os serviços da instituição para que atue em diferentes propostas e garanta desde a prevenção até o atendimento adequado às mulheres e famílias vitimizadas pela violência. O trabalho se materializa através de atividades como atendimentos individuais e em grupos para mulheres, grupos de homens, grupos com adolescentes no ambiente escolar, seminários regionalizados, pesquisas institucionais e acadêmicas e capacitação de policiais civis para lidar com a temática. Tais medidas possibilitam o acolhimento das vítimas, a desconstrução de padrões de violência com os autores, a atuação de forma preventiva com adolescentes, além de capacitar e oferecer suporte emocional aos policiais que realizam atendimento nas delegacias especializadas.

Todas essas atividades vêm sendo articuladas com a rede de proteção e universidades para que se busque alinhar o discurso (bem como práticas com as instituições parceiras. Essas ações, que incluem a prevenção, a participação social e a intersetorialidade, encontram sua fundamentação no paradigma da Segurança Cidadã, compreendendo o fenômeno da violência de maneira multicausal  e heterogênea. Dentro desse contexto, o Programa Polícia Civil Por Elas busca o compartilhamento de ações que acontecem no Estado e fomento da reflexão sobre o enfrentamento a violência contra as mulheres.

História

No ano de 2018, a Delegacia Geral de Polícia Civil,  através da Coordenadoria das DPCAMIs e de políticas públicas voltadas ao público LGBT,  lançou o Programa Policia Civil por Elas. O intuito foi ampliar a atuação da Polícia Civil no enfrentamento à violência contra as mulheres, visto o crescente número de registros em todo o país. Dessa forma, a Delegada Patrícia Zimmermann D’Ávila e o Psicólogo Policial Antônio Carlos José Britto, articularam as primeiras ações após reunião com um grupo de psicólogos das Delegacias do litoral norte que aceitaram o desafio.

Assim, em março de 2018, a DPCAMI de Itajaí iniciou a primeira  ação do programa: o grupo reflexivo de mulheres vítimas de violência. Logo, as ações se estenderam para as cidades de Concórdia, Timbó e Joinville que, além do grupo de mulheres, criou também o grupo reflexivo de autores de violência, ampliando as frentes de ação do Programa. Hoje, as ações se estendem para diversas DPCAMIs e DPCos por todo o Estado.

 grupo pc por elas