Conecte-se

FacebookTwitterInstagramYoutube

 

ideia7

 

Palhoça - Balanço divulgado nesta quinta-feira (01) pela Delegacia de Proteção a Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (DPCAMI), de Palhoça, revelou que no ano passado foram registrados 5.359 Boletins de Ocorrência naquela unidade policial. De acordo com a Delegada da Polícia Civil, Eliane Márcia Chaves, a maioria dos casos se refere à violência doméstica contra a mulher. Em média as vítimas têm entre 20 e 35 anos.

 

A delegada conta que a Polícia Civil também faz um trabalho de orientação com a população que procura seus serviços. “Quando a necessidade da cidadã ultrapassa o âmbito de atendimento da delegacia nós orientamos a vítima em como proceder a fim de seus direitos e interesses sejam respeitados”, observa a delegada.

Para garantir a integridade física e psicológica, a vítima de agressão pode solicitar uma medida protetiva. No ano passado a delegacia ingressou com 106 pedidos na Justiça. Outros casos envolvendo conflitos familiares devido ao uso de entorpecentes são encaminhados aos serviços de assistência social.

No município também foi alto o registro de estupros contra crianças e adolescentes e a maioria dos crimes ocorrem no núcleo familiar. Um dos serviços que a Polícia Civil oferece para as vítimas de violência doméstica e estupro é o atendimento psicológico. Vale lembrar que a Polícia Civil de Santa Catarina é a única do país a contar com psicólogos policiais em seu quadro funcional, o que tornou o atendimento protetivo muito mais eficiente. A importância da atuação dos psicólogos naquela delegacia pode ser traduzida em números: em 2017 foram 2.070 atendimentos.

Outra dado que a delegada Eliane destaca é o crescimento de atos infracionais cometidos por adolescentes no município. A Delegacia de Investigações Criminais (DIC) de Palhoça tem se destacado na identificação de adolescentes que cometem delitos.

O balanço da DPCAMI – Palhoça mostra que no ano passado 24 adolescentes apreendidos e outros 31 mandados de busca e apreensão foram de adolescentes foram cumpridos. “A Polícia Judiciária de Santa Catarina tem fortalecido as especializadas de proteção (DPCAMIs), o que reflete na maior confiança e procura por parte da população, colaborando para os números expressivos, significando que há muito empenho em atender as demandas,” finaliza a delegada Eliane Márcia Chaves.

 

Informações:

Jacqueline Iensen

Jornalista

Assessoria de Imprensa

Delegacia Geral da Polícia Civil de Santa Catarina

Av. Ivo Silveira, 1521, Bloco B, 6º Andar, Capoeiras, Florianópolis SC

Telefone para contato: (48)3665.8708

Correio eletrônico institucionalimprensa@pc.sc.gov.br

www.policiacivil.sc.gov.br