Conecte-se

FacebookTwitterInstagramYoutube

 tubarao

A Polícia Civil apreendeu na tarde desta sexta-feira (07) 440 Kg de carnes impróprias para o consumo em um mercado em Tubarão, Sul do Estado. Foi em ação da Delegacia de Delitos de Trânsito e de Crimes Ambientais (DTCA) de Tubarão.

Policiais civis coletaram informações que noticiavam que em um supermercado estavam sendo comercializadas carnes impróprias ao consumo. Com o apoio da Vigilância Sanitária, os policiais civis deflagraram uma operação, que flagrou a conduta ilícita do estabelecimento comercial.

No local, os policiais e os funcionários da Vigilância Sanitária apreenderam grande quantidade de carnes de todos os tipos, as quais estavam impróprias ao consumo, o que configura o crime do art. 7, IX, da Lei 8.137/1990.

No local a vigilância sanitária também constatou os produtos impróprios e adotou as medidas administrativas. A proprietária do estabelecimento foi encaminhada à Delegacia de Polícia para a lavratura do auto de prisão em flagrante por crime contra a relação de consumo e depois ao Presídio Feminino de Tubarão.

WhatsApp Image 2021 05 07 at 18.52.57

WhatsApp Image 2021 05 07 at 18.37.11

A Polícia Civil deflagrou na tarde desta sexta-feira (07) uma operação para apurar a suspeita de fraudes em licitações na região do Planalto Norte catarinense. Foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça em empresas de auto peças e oficinas mecânicas, em Mafra.

Foram presos três homens por posse irregular de arma de fogo de uso permitido. Foi arbitrada fiança no valor de R$10 mil para cada conduzido. O foco da investigação é a participação de empresas em pregões públicos para o fornecimento de peças automotivas e serviços mecânicos para as prefeituras da região.

As diligências investigatórias, que contaram com o apoio da Prefeitura Municipal de Mafra, revelaram que, na prestação destes serviços e no fornecimento de peças para a manutenção da frota de veículos municipais, inúmeras notas fiscais eram fraudadas com informações ideologicamente falsas. Ou seja, havia simulações de venda de peças, que na verdade nunca foram instaladas nos veículos. O mesmo ocorria com relação ao valor das horas de trabalho prestadas.

As suspeitas das possíveis fraudes envolveriam ex-funcionários públicos. Em razão disso, podem ter ocorrido, em tese, os crimes de peculato; corrupção ativa e passiva e falsidade ideológica. Durante as investigações foram recuperadas baterias e lubrificantes desviados da Prefeitura Municipal de Mafra. As investigações prosseguem sob o comando da Divisão de Investigação Criminal (DIC/PCSC) de Mafra.

WhatsApp Image 2021 05 07 at 18.37.10

logobanner

Na tarde desta sexta-feira (07), a Polícia Civil cumpriu a prisão temporária expedida pela Justiça contra um homem por um homicídio qualificado ocorrido na segunda feira (03), em Concórdia. O homem se apresentou acompanhado de advogado na Delegacia de Polícia da Comarca de Concórdia.

Ele foi interrogado pelo Delegado de Polícia e depois encaminhado ao Presídio Regional de Concórdia, onde permanecerá à disposição da Justiça.

Após diligências realizadas pelo Setor de Investigação e Capturas da DP, foi possível apurar a identidade do suspeito. A Polícia Civil então representou pela expedição de mandado de prisão temporária, a qual foi deferida.

O suspeito não havia sido localizado e para não prejudicar a investigação e manter a ordem pública essa medida foi necessária. O inquérito policial foi concluído e remetido ao Poder Judiciário.

3

Policiais civis prenderam em flagrante na tarde desta sexta-feira (07) um homem de 38 anos por tráfico de drogas e porte ilegal de munição, em Criciúma. A prisão aconteceu ao lado de uma creche no bairro Milanese.

Os policiais civis cumpriram mandado de busca e apreensão na casa do homem, onde foram apreendidos 63g de cocaína, R$ 3.538, uma balança de precisão e 4 munições calibre 32.

O suspeito foi encaminhado ao presídio.

A ação foi realizada pela Divisão de Repressão aos Entorpecentes da Divisão de Investigação Criminal (DIC/PCSC) de Criciúma. A diligência contou com o apoio do Núcleo de Operações com Cães da Delegacia Regional de Polícia.

Logo novo PNG

A Justiça condenou cinco homens a penas que, somadas, correspondem a 130 anos e um mês de reclusão, em regime inicialmente fechado, pelo assalto ocorrido em março de 2019 no Aeroporto Regional de Blumenau. A sentença foi prolatada pelo juízo da 1ª Vara Criminal da Comarca de Blumenau, que julgou parcialmente procedente a denúncia do Ministério Público (MPSC).

O caso foi investigado pela Polícia Civil de SC, por meio da Delegacia de Roubos e Antissequestro (DRAS) da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DEIC/PCSC).

Na ocasião, uma jovem de 22 anos foi morta e dois vigilantes de empresa de valores foram gravemente feridos. Foram roubados R$ 9,6 milhões, sendo considerado na época o maior roubo já registrado em SC. Consta nos autos que o crime foi minuciosamente planejado, com o uso de armas de grosso calibre, bem como de um veículo caracterizado como uma viatura de ambulância para não levantar suspeitas e que serviu de instrumento de fuga dos agentes e transporte do dinheiro subtraído. 

Segundo divulgou o Tribunal de Justiça de SC, os homens foram condenados pela prática dos crimes de latrocínio consumado e uso de documentos públicos falsos para a locação de imóveis e compra de veículos utilizados no roubo (por quatro vezes). As penas individuais variam de 11 anos e oito meses a 32 anos e 11 meses de reclusão.

"Evidente a unidade de desígnios dos acusados, inclusive em relação aos resultados, pois, sabendo do poderoso armamento bélico que o grupo possuía, notoriamente capaz de ceifar a vida de inocentes, e motivados pelo dinheiro fácil, em nenhum momento cogitaram em desistir da ação. Ao contrário, participaram ativamente até o seu resultado final", cita o juiz Lenoar Bendini Madalena em sua decisão.

Duas outras pessoas foram absolvidas de todos os delitos constantes na inicial acusatória pelo juízo da 1ª Vara Criminal da comarca de Blumenau. Aos cinco homens foi negado o direito de recorrer em liberdade, uma vez que suas prisões ainda são necessárias para a garantia da ordem pública. Da decisão de primeiro grau cabe recurso ao Tribunal de Justiça de Santa Catarina

(Fonte: Assessoria de Imprensa do Tribunal de Justiça de SC)